QUIMIOTERAPIA, BOCA E PELE.

Tem que cuidar?

Acompanhamento odontológico para paciente em tratamento quimioterápico?

Cuidados com a pele nesta fase? Como assim?

A dermatologista Roberta Peres e a dentista com especialização na área de oncologia Angélica Sant´Anna estiveram presentes no CTO em Petrópolis, neste mês de abril, para promover uma manhã especial para pacientes oncológicos e seus acompanhantes.

Foram oferecidas palestras e orientações, além de diversos brindes e momentos de descontração. Não poderíamos perder a oportunidade de trazer um pouco dessas informações para cá, né?

 

A Drª Roberta abordou a questão dos efeitos colaterais da quimioterapia na pele e enfatiza:

 “Os quimioterápicos em geral tem como um dos efeitos colaterais a xerose cutânea (ressecamento da pele) que pode passar despercebida pelo paciente ou até mesmo provocar um desconforto importante, com prurido (coceira) e placas avermelhadas na pele (eczema). Esse ressecamento também pode ser visto na sola dos pés e palma das mãos, às vezes com rachaduras importantes que evoluem com dor e dificuldade em caminhar. As mucosas também podem ser afetadas e além do ressecamento labial o quadro pode evoluir pra mucosite. Outro quadro comum é a paroníquia (inflamação das cutículas) que é extremamente doloroso. É importante comunicar seu médico para o correto tratamento, que inclui o uso de hidratantes, emolientes, antibióticos, laser, entre outros.”

Aliás, já conversamos com a Drª Roberta Peres sobre os cuidados com as unhas e esse post é um sucesso só aqui no blog. Clique aqui para conferir.  

Perguntamos à médica qual foi o sentimento por participar desta ação. Ela disse “Sentimento de gratidão por poder estar ajudando com tão pouco”.

angelica e roberta no cto

Já a Drª Angélica falou sobre a necessidade de um acompanhamento odontológico, antes, durante e depois do tratamento oncológico.

VIVER: Por que é necessário este cuidado odontológico antes, durante e depois da quimioterapia? 

DRª ANGÉLICA: “Durante a terapia oncológica, se a escolha for a quimioterapia, durante os ciclos, há uma queda da imunidade. Desta forma, pessoas que tem uma saúde oral deficiente, como gengivite, periodontite, cáries, restos residuais de raízes, próteses mal adaptadas, implantes etc. podem, durante este processo, manifestar infecções oriundas destas situações. Então, após o diagnóstico do câncer, o paciente deve conversar com seu dentista de rotina, expôr a necessidade de check up odontológico, com exames complementares, para resolver em tempo hábil as principais comorbidades desta pessoa. Iniciando assim um tratamento oncológico com risco reduzido de infecções de origem odontogênica”.

VIVER: Mas e se o paciente não procurou o seu dentista antes, ou, se procurou, e mesmo assim tiver um problema de origem odontológica, como dores, dentes amolecidos, sangramento, úlceras?

DRª ANGÉLICA: “nesta situação, após iniciado o tratamento oncológico, o médico oncologista deverá ser avisado sobre a questão e o paciente deverá procurar um profissional da odontologia habilitado para tal atendimento, já que aqui haverá um protocolo a seguir e cuidados adicionais”.

VIVER: Existem intercorrências que podem surgir durante o tratamento quimioterápico?

DRª ANGÉLICA: “Sim, quando o oncologista elege o quimioterápico a ser utilizado na situação específica, poderá ser um que tenha toxidade alta para mucosa do trato gastrointestinal. Lesões inflamatórias podem se desenvolver e a essas lesões chamamos de mucosite.  A mucosite é extremamente dolorosa e se divide em quatro graus. Onde no grau 1 o paciente não apresenta lesões significativas. E o grau 4 ele já está bastante debilitado, não consegue engolir, as lesões são extensas, comprometendo a nutrição do mesmo, podendo assim precisar interromper a quimioterapia e até mesmo ser hospitalizado”.

VIVER: Na radioterapia é possível desenvolver o mesmo problema?

DRª ANGÉLICA: “Apenas na radioterapia de cabeça e pescoço. Além de uma severa mucosite o paciente pode apresentar outras manifestações, como: * Boca seca; ardência na cavidade oral; dificuldade em abrir a boca;  alteração nos sabores dos alimentos e dor intensa.”

VIVER: Pacientes que tem tumores não sólidos, como linfomas, mielomas também precisam de cuidados?

DRª ANGÉLICA: “Com toda certeza! Principalmente aqueles que irão fazer transplante de medula. A orientação é que, antes de mais nada, procurem um dentista. Já que para receber a nova medula, ele será condicionado e sua imunidade chegará a zero. Nesse processo, infecções odontológicas ou orais, podem comprometer todo o processo de tratamento. Esses pacientes, se não cuidados pelo dentista durante este condicionamento, irão desenvolver a mucosite também, o que também pode ser porta de entrada para microorganismos oportunistas”.

VIVER: Como se trata a mucosite? É igual na quimioterapia e na radioterapia? E nos pacientes que vão fazer transplante?

DRª ANGÉLICA: “Em suma, sim! Todos passarão por avaliação prévia com um cirurgião-dentista. Nos pacientes de quimioterapia que utilizaram medicações citotóxicas para tecido gastrointestinal, será feito um suporte com bochechos específicos, analgésicos e o tratamento com a laserterapia.
Em pacientes irradiados em cabeça e pescoço, segue a mesma regra, porém esse terá um suporte mais abrangente de consultas de laserterapia e também poderá precisar de saliva artificial e anestésicos tópicos para diminuir os sintomas.
No futuro transplantado, as consultas de laserterapia acontecem normalmente em ambiente hospitalar e todo suporte medicamentoso é feito pela equipe médica e odontológica.”

VIVER: Gostaria de deixar uma última mensagem para os nossos leitores?

DRª ANGÉLICA: “Bom, o mais importante é entender que o câncer as vezes afeta um só órgão . Mas o tratamento afeta o corpo inteiro e, desta forma, a interdisciplinaridade pode trazer ao paciente uma melhor qualidade de vida, melhores resultados no final do tratamento, e mais força durante. Juntos somos mais!”

E aí? Gostou das orientações?

Aproveitando, temos mais uma matéria com a Drª Angélica Sant´Anna sobre mucosite. Leitura recomendadíssima, por sinal. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: